Começa a primeira fase do projeto Brasil Sustentável

Começa a primeira fase do projeto Brasil Sustentável

“O fomento a sustentabilidade é algo que se iniciou na década de 60 e desde então se tornou um tópico bastante discutido no dia a dia da sociedade. O meio empresarial não poderia ficar de fora e ao longo do tempo foram desenvolvidas ferramentas para incorporar a sustentabilidade nos processos de produção, compra e venda”. Foi isso que disse Marcelo Basso Donatti, especialista do Sebrae, durante a mentoria inaugural do Brasil Sustentável. O projeto, parceria da CACB com a CNM, emprega parte da metodologia dos programas Empreender e AL-Invest Verde na capacitação de gestores municipais e empresários para compras públicas ambientalmente responsáveis.

Com a presença de quase 300 representantes de municípios e empresas das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, o Brasil Sustentável lançou a primeira etapa nesta terça-feira (18).

Após contextualizar o debate sobre o tema da sustentabilidade, Marcelo abordou a relevância da contratação de empresas que investem em produção mais limpa, destacando que o tema criou uma nova relação com o consumidor, focada na economia circular  como forma de enfrentar a crise climática. Também apontou a necessidade do fomento para inovação e citou regras para as margens de referência, que definem porcentagens para compras preferenciais de produtos de cadeias mais ecológicas. Ele ainda tratou da necessidade de valorização das MPEs no processo, ao considerar empresas locais que estejam adotando práticas que envolvam sustentabilidade para o desenvolvimento ambiental, social e econômico.

Segundo ele, é preciso avaliar e investigar as melhores opções no momento de produção e compra.  Atualmente, os gestores tendem a escolher pelo menor custo, entretanto, mesmo com um valor superior, produtos sustentáveis agregam mais benefícios, como menos resíduos e mais preservação de recursos: “Não deve ser o menor preço, mas o produto mais vantajoso”, concluiu.

Nas próximas mentorias serão abordados temas como a geração de créditos  de carbono, redução de consumo, rotulagem ecológica, além de boas práticas em sustentabilidade e ferramentas para facilitar as contratações públicas com base no conceito de ESG (em português, critérios ambientais, sociais e de governança). O próximo encontro está agendado para o dia 02 de julho.